Com bariátrica, até eu emagreço!

“Com bariátrica, até eu emagreço!”  “Essa cirurgia será um freio”. “A bariátrica é uma barreira física que me impedirá de comer”. “Vou poder comer tudo, só que pouco, e nunca mais vou engordar”. Frases como essas são bem comuns, porém escondem uma armadilha: bariátrica sozinha não faz milagre. O procedimento cirúrgico pode ser entendido como mais uma ferramenta na busca por uma vida mais saudável, mas não é único. Emagrecer, de maneira definitiva, exige mudanças de hábitos.

Entre as principais mudanças estão, sem dúvidas, a reeducação alimentar e a inserção da atividade física na rotina. Essas mudanças, inclusive, devem começar antes da cirurgia, conforme a orientação da equipe multidisciplinar, que incluem ainda atendimento psicológico e fisioterapia.

Depois da cirurgia, existe uma série de cuidados que cabem somente ao paciente, ou seja, não será possível terceirizar responsabilidades. Separei alguns tópicos para você, que pensa em fazer uma bariátrica, refletir a respeito. Confira!

Cirurgias são arriscadas

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, de 2010 (os mais recentes disponíveis), a taxa de mortalidade média relacionada à operação por via laparoscópica (minimamente invasiva) é de apenas 0,23% – abaixo do índice de 1% estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) -, contra 0,8% a 1% da cirurgia aberta (laparotomia).

Dieta líquida clara

O objetivo desta fase é hidratar e readaptar o trato digestivo e absortivo após o processo cirúrgico, quando há grande sensibilidade. A dieta líquida clara tem pouco resíduo alimentar, de forma a preservar o repouso intestinal. Nessa etapa, que dura de 3 a 10 dias, o consumo de calorias é, em média, de 500 por dia.

Dieta líquida cremosa

A segunda etapa da dieta é cremosa. Os alimentos são liquidificados e coados. Além da sopa, o paciente começa a introduzir leite e iogurtes, além da suplementação proteica. Essa fase tem de 5 a 10 dias, de acordo com recomendação do médico ou nutricionista.

Dieta pastosa

A mastigação volta à cena e alimentos mais pastosos começam a ser reintroduzidos. Os pacientes que estão no pós-operatório podem consumir purês, papa de arroz, polenta, caldo de feijão, carnes magras desfiadas, ovo mole, mexido ou em forma de omelete, e legumes esmagados, como abóbora, chuchu e beterraba.

Enfim, comida

Não pense que chegou a hora de marcar uma ida à churrascaria. Na Dieta Branda, a recomendação é cozinhar bem os alimentos para deixá-los bem moles, como arroz, legumes, carnes magras macias ou desfiadas e frutas sem casca ou bagaço. São mais 20 a 30 dias, só depois a dieta volta a dita normalidade.

Apesar do nome normal, é preciso reaprender a comer não só quantidades menores, mas também a mastigar com calma e mais vezes.

Atividade Física

Além da reeducação alimentar, a atividade física deverá fazer parte da rotina. A escolha da modalidade não importa, mas a disciplina de ir à academia ou caminhar ao ar livre será indispensável para ajudar na manutenção do peso e não voltar a engordar.

Viu só? A cirurgia não faz milagre e exige mudança de hábito e comprometimento. Obrigado por me acompanhar e até a próxima.

Você também vai gostar de ler

O impacto da rede 5G na medicina brasileira

Leia Mais

Engordei de novo depois da bariátrica, me ajuda!

Leia Mais

A vida após a retirada da vesícula

Leia Mais